sábado, fevereiro 18, 2006

ZBIGNIEW HERBERT

O MONSTRO DO SR. COGITO




Felizardo S. Jorge
da sua sela de cavaleiro
podia calcular com rigor
a força e os movimentos do dragão

o primeiro preceito da estratégia
é a correcta avaliação do inimigo

o Sr. Cogito encontra-se
em posição menos favorável

sentado como está na sela
baixa de um vale
coberto por espesso nevoeiro

é lhe impossível divisar
os ferozes olhos
as garras vorazes
as fauces

através do nevoeiro
o que vemos é somente
a cintilação do nada

o monstro do Sr. Cogito
não tem dimensões

é difícil descrevê-lo
escapa à definição

é uma espécie de imensa depressão
que se estende sobre a terra

não se deixa trespassar
por uma pena
uma lança
um argumento

se não fosse pelo peso sufocante
e pela morte que produz
poderíamos pensar
que se trata de uma alucinação
na cabeça de um doente

mas existe
existe de certeza

enche como fumo
casas templos mercados

envenena os poços
destrói as estruturas do pensamento
cobre de bolor o pão

a prova da existência do monstro
são as suas vítimas

é uma prova indirecta
mas suficiente



2


as pessoas razoáveis dizem
que é possível conviver
com o monstro

basta que evitemos
movimentos súbitos
súbitos discursos

em caso de perigo
assumir a forma
de uma pedra de uma folha

dar ouvidos à prudente Natureza
que aconselha o mimetismo

suster a respiração
fingir não estar aqui

ao Sr. Cogito porém
não lhe agrada dissimular

gostaria de defrontar
o monstro
em terra firme

sai então de madrugada
em direcção aos subúrbios adormecidos
cautelosamente armado
com um longo objecto pontiagudo

chama pelo monstro
nas ruas desertas

desafia o monstro
insulta o monstro

como intrépido soldado
de um exército que não existe

grita
aparece miserável cobarde

através do nevoeiro
tudo o que vemos
é a goela gigantesca do nada

o Sr. Cogito quer enfrentar
esse combate desigual

e que tivesse lugar
o mais depressa possível

antes que aconteça
sucumbirmos por inércia
a uma morte banal sem glória
sufocados pelo informe



Versão (a partir do inglês) de José Miguel Silva

2 Comments:

Blogger hmbf said...

boa! (hmbf)

sábado, fevereiro 18, 2006 10:55:00 da tarde  
Blogger JMS said...

Pois é, Henrique, decidi estabelecer-me por conta própria, abrir também um boteco. Afinal, não se paga renda, e quem sabe se o negócio não corre bem e não poderei, daqui a uns meses, trespassar a locanda com um lucro de mil porcento?
JMS

domingo, fevereiro 19, 2006 1:00:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home