terça-feira, maio 23, 2006

WISLAWA SZYMBORSKA

O TERRORISTA OBSERVA


A bomba no café vai explodir às treze e vinte.
São treze e dezasseis neste momento.
Há tempo ainda para entrar
e tempo para sair.

O terrorista já cruzou a rua.
A esta distância não corre perigo,
e que vista tem – é como no cinema:

Uma mulher de casaco amarelo acaba de entrar.
Sai um homem de óculos escuros.
Dois rapazes de calça de ganga conversam à porta.
Treze horas, dezassete minutos e quatro segundos.
O mais baixo tem sorte, senta-se na motorizada,
já o outro, entrou agora mesmo.

Treze horas dezassete minutos e quarenta segundos.
Aproxima-se uma rapariga, de fita verde no cabelo.
Mas um autocarro pára de súbito à sua frente.
Treze e dezoito.
A rapariga desapareceu.
Se foi estúpida e entrou, ou não,
sabê-lo-emos quando eles forem retirados.

Treze e dezanove.
Parece que não entra mais ninguém.
Mas há um tipo que sai, gordo, careca.
Esperem lá, ei-lo que procura qualquer coisa nos bolsos e
quando faltam dez segundos para as treze e vinte
regressa para ir buscar as suas velhas luvas .

São treze e vinte certas.
Como o tempo se alonga.
Vai ser a qualquer momento.
Ainda não.
Sim, é agora.
A bomba explode.


Versão (a partir do inglês) de José Miguel Silva

2 Comments:

Anonymous acácio bomber said...

E o poema também! Com Licença!

terça-feira, maio 23, 2006 10:56:00 da tarde  
Blogger João Luís Barreto Guimarães said...

Conhecia o poema. Parabéns pela tradução. É muito bom.

terça-feira, maio 23, 2006 11:06:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home